Pesquisar este blog

quarta-feira, 13 de junho de 2018

CALEIDOSCÓPIO 13/06/2018

DO CAOS, UMA LIÇÃO – Diante das graves consequências ocasionadas pela recente greve dos caminhoneiros, pelo menos uma lição para ser apreendida e aprendida. Na imensidão do seu território, o Brasil não pode continuar a adotar quase totalmente, para escoamento de seus produtos, apenas uma forma – a do transporte rodoviário. Viu-se o que aconteceu no país inteiro. Com os braços parados dos caminhoneiros e o fechamento das estradas pelos caminhões o caos se estabeleceu. As populações de todas as cidades viveram momentos de perplexidade e angústia. Sem abastecimento, mercados, supermercados, postos de combustíveis não seguraram o preço de seus produtos. Pelo contrário, todos subiram exageradamente. Diante da dura lição, não é o momento de rever o abrir estradas do Presidente Washington Luiz e os processos desenvolvimentistas de Juscelino em relação aos transportes? Não é a hora de se retomar os modais marítimo e ferroviário para escoamento das safras e transporte em massa da população? Grandes países da Europa e de outros continentes têm estradas e autoestradas exemplares. Contudo, jamais abandonaram o trem e os navios para o escoamento do que produzem e transporte em massa de pessoas. Os modais marítimo e ferroviário, pelo contrário, continuam sendo carros-chefes. Suas utilizações são mais baratas e oferecem maior retorno. Nas décadas de 1930/1940 os dois modais predominaram. E mais: os custos são inferiores e não poluem tanto, como na queima de combustível no modal rodoviário. Não deixou de ser um crime o abandono, no Brasil, do uso regular de trens e navios. Como se deixar de lado 7.400km de extensão navegável que na costa possuímos? Ou os caminhos navegáveis dos nossos rios? 
PRODETUR+TURISMO ITINERANTE - O Rio Grande do Sul foi o primeiro estado a receber uma missão técnica do Prodetur Itinerante, iniciativa do Ministério do Turismo que oferecerá consultoria especializada de projetos a governos, prefeituras e empresários interessados em investir no setor. O objetivo é prepará-los para acessar os R$ 5 bilhões da linha de crédito Prodetur+Turismo.  No estado, cinco projetos receberam o selo que garante prioridade de tramitação no programa. Juntos, os projetos somam R$ 178,5 milhões. O anúncio foi feito pelo ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, em evento que contou com a presença do governador do Estado, José Ivo Sartori   
RECORDE DE INSCRITOS - Pelo terceiro ano seguido o Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema bate recorde de inscritos para as duas mostras competitivas. São produções em longa e curta-metragem enviadas para a 28ª edição, que acontecerá de 04 a 10 de agosto no Cineteatro São Luiz, em Fortaleza.
Para a seleção de 2018, o Festival recebeu 1.222 filmes de 18 países, dos quais, 286 inscritos para a Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem e 936 para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem. Os números anteriores: Em 2017 foram 1.113 filmes de 17 países, sendo 260 longas e 853 curtas. Em 2016 o festival recebeu 966 inscrições de 16 países, dos quais, 254 longas e 712 curtas. O número de curtas cearenses inscritos também foi recorde. Foram 116 para a 28ª edição, 19 a mais do que os inscritos na edição do ano passado. 
SÃO JOÃO NO DOM PEDRO LAGUNA - Este mês de junho é marcado pela chegada de uma das celebrações mais importantes do Dom Pedro Laguna -  a festa de São João. Além de ofertas especiais de hospedagem, o resort recebe, no dia 23 de junho, um arraial com tradicionais barracas de comidas típicas, bebida, brincadeiras para todas as idades e a apresentação da tradicional quadrilha Fulô do Sertão. 
Os hóspedes também poderão curtir uma estrutura completa em dois restaurantes, bar de praia, bar molhado, room service 24h, fitness center, jacuzzi exterior, campos de tênis, e kids club com monitores, além de um serviço de shuttle diário até Fortaleza. 
PARA EMBARQUE EM VOOS DOMÉSTICOS - Após análise técnica e normativa sobre os documentos de identificação em suporte eletrônico atualmente disponíveis, a Agência Nacional de Aviação Civil concluiu que eles podem ser apresentados pelos passageiros às empresas aéreas na hora do embarque em voos domésticos. Todas as companhias e empresas como a ABEAR foram comunicadas sobre a aceitação da Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e), do Documento Nacional de Identidade (DNI) e do Título de Eleitor eletrônico.
De acordo com a norma, “o passageiro deverá apresentar para embarque documento de identificação civil, com fé pública e validade em todo o território brasileiro", o que vale para todos os documentos de identificação.
O uso do nome social também será aceito em documentos eletrônicos, desde que a alteração do registro conste no documento de identificação apresentado no momento do embarque. A facilidade já pode ser utilizada no caso do Título de Eleitor eletrônico, conforme entendimento do TSE.
TOUR HARLEQUIN EM FORTALEZA - A Harlequin Books Brasil está em uma tour por várias cidades do país, com muito bate-papo, interação e autores convidados. A próxima parada da Tour Harlequin será em Fortaleza, no sábado,  16 próximo, às 18 horas, no Saraiva (Shopping Iguatemi). Na ocasião, os presentes terão a oportunidade de participar de um bate-papo com as autoras convidadas, Cassandra Gia e Sue Hecker, que passarão uma tarde incrível com os leitores, mediada pela editora Renata Sturm.  Os presentes ficarão sabendo de todas as novidades da editora. Ainda terão informações das escritoras, que falarão sobre o novo projeto juntas!
Além das obras das autoras convidadas, neste encontro serão discutidos os próximos lançamentos literários, as novidades que em breve estarão nas livrarias e o muito mais, com direito à brindes para os leitores.
SEMINÁRIO -  O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, participou na sexta-feira, 8, da abertura do seminário “Programa de Incentivo ao Turismo no Estado do Rio de Janeiro”. O evento foi realizado no Copacabana Palace e está sendo organizado pelo trade turístico, em parceria com a Secretaria Estadual de Segurança.
Na ocasião, serão divulgados os resultados já conquistados pela parceria do governo federal com os governos locais e iniciativa privada. O evento contou, ainda, com a presença do Secretário Estadual de Segurança, Richard Nunes; do Secretário Estadual de Turismo, Nilo Sérgio Felix, e do presidente da Riotur, Marcelo Alves. 

O GRITO DE ALERTA DE ENID CÂMARA

Tem razão a empresária de sucesso, presidente da Câmara Setorial da Cadeia de Eventos, da Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), Enid Câmara Vasconcelos, quando, em recente reunião, deu um “Grito de Alerta”, dirigido a autoridades municipal e estadual, além do trade turístico cearense, para um fato que merece atenção especial, ou seja, o Turismo de Negócios (Eventos).
A também proprietária da empresa Prática Eventos sempre defende a iniciativa de que há necessidade urgente de maiores investimentos, em Propaganda e Comunicação, no retrocitado segmento do turismo alencarino, visto poder tornar-se a modalidade que mais recursos financeiros carreará, para a combalida economia do Estado, fragilizada com seis anos consecutivos de secas. É que turista de negócios gasta mais do que o de lazer.
Bem! Dado o grito, é preciso, caras autoridades e empresários do turismo, setor que impacta mais de 50 atividades socioeconômicas e culturais, em todo o Ceará, não fazerem vistas grossas ao que Enid Câmara lhes chama à atenção, fazendo de contas que o Turismo de Lazer é a atividade, no segmento Turismo, que atrai maior número de turistas, anualmente, tanto nacionais, quanto internacionais, e movimenta mais os setores econômicos estaduais e municipais do que o já mencionado Turismo de Negócios.
Com a assertiva supracitada, longe de nós, a petulância de escrever serem dispensados investimentos, na promoção e divulgação do Turismo de Lazer, aqui e alhures. Ambos merecem aplicação de vultosas verbas, para levá-los a um patamar de destaque, nos cenários brasileiro e estrangeiro, claro que em se tratando das localidades com atrativos turísticos, capazes de receber expressivo afluxo de turistas, oriundos, inclusive, do exterior.
Mediante o exposto, acreditamos que o “Grito de Alerta”, da dinâmica, competente e lutadora Enid Câmara, não se perderá, nos gabinetes governamentais, precisamente, nas Secretarias de Turismo (Setur e Setfor), nas existentes no interior, nos ambientes de trabalho dos empresários do ramo e na Imprensa e Redes Sociais. Se não houver repercussão, no que ela falou mais alto, haverá necessidade de novo “Grito de Alerta”, até chegar ao momento de seu apelo ser compreendido e posto em prática.
Bem! Desejamos que fique bem claro não estarmos a concordar com Enid Câmara, simplesmente, por privar de sua amizade, mesmo não sendo mais o presidente da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet-Ceará) e, sim, por sempre desejar o melhor para o Turismo, em suas variadas modalidades, do Ceará e do Brasil, este, vergonhosamente, recebendo, por ano, pouco mais de 6 milhões de turistas estrangeiros, afora mudar, constantemente, de ministros do Turismo e presidentes da Embratur, numa jogada politiqueira, para agradar apaniguados políticos.
Mas, retornemos ao principal assunto deste artigo, reforçando o pensamento da presidente da Câmara Setorial da Cadeia de Eventos, Enid Câmara, pois é necessária a tomada de decisão, com planejamento, seriedade, espírito ético e transparente, no tocante à veiculação, mais constante e abrangente, da Propaganda e da Comunicação, no Brasil e em outros países, para atrair mais turistas de negócios e de lazer também. 
Vamos, lá, gente, transformar o “Grito de Alerta”, dado na última reunião da Câmara Setorial da Cadeia de Eventos, realizada, recentemente, na sede da Adece, por quem é do ramo, líder e sabe onde as andorinhas dormem, numa ação amiúde, com vistas a incrementar o denominado Turismo de Negócios (Eventos), pois, segundo ela, a capital do Ceará possui condições de infraestrutura de suporte ao turismo, citando-se, como exemplos, o Centro de Eventos do Ceará, o maior da América Latina, além de outros, em hotéis, claro que em menores proporções. 
Por último, cara Enid, esperamos que seu importante e indispensável “Grito de Alerta” fira os tímpanos de quem não está nem aí para a necessidade de maior e de melhor promoção do Turismo de Negócios (Eventos) em plagas cearenses e seu apelo seja atendido. Para você, que, educadamente, sabe expor problemas, na sua área específica, e por que não dizer em outras, que atravancam o desenvolvimento sustentável do Turismo, no Ceará, resta-nos acrescentar: para você, tiramos o chapéu. Obrigado pela leitura e ótimo fim de semana, amigo-leitor!

“NÓS OSSOS QUE AQUI ESTAMOS, PELOS VOSSOS ESPERAMOS”

Por mais estranho e macabro que possa parecer, essa inscrição está aposta no limiar do portal de entrada da, denominada, “Capela dos Ossos”, na Igreja de São Ferancisco, na cidade de Évora, no Alentejo Central de Portugal. Construída no século XVII, a capela e igreja situam-se à praça 1º de Maio e foi construída no estilo gótico.
É um dos mais visitados monumentos de Portugal, capela construída internamente com mais de 5.000 ossos de monges, sendo a mais famosa das seis capelas dos ossos que se dizem existentes no país lusitano. 
A história relata que havia 42 cemitérios monásticos em Évora, no século XVI, ocupando espaço muito grande. Pretendendo proporcinar melhor aproveitamento de toda a área, a solução encontrada pelos franciscanos teria sido extrair todos os ossos da terra e utilisá-los para erguer e “decorar” uma capela.
Foram empregados, então, ossos entre crânios, tíbias, vértebras e fêmures dispostos de tal sorte nas paredes, nas colunas e no teto, numa arquitetura indiscutivelmente macabra, iluminados por faxos de luz que entram por três frestas à esquerda. Todas as paredes e pilares da capela estão revestidos por ossos ligados por cimento pardo. Enquanto as abóbodas encontram-se pintadas com motivos alegóricos à morte.
A inscrição que dá título a êste artigo teria sido o meio pelos quais os monges convidariam as pessoas para que a capela servisse de consolação a uns e de notícia à curiosidade de outros. Afinal, teriam evidenciado a transitoriedade da vida.
Outra e especial curiosidade é que, no fundo da capela, encontram-se pendurados dois cadáveres - um adulto e uma criança. Conta a lenda, como a origem determinante daquela postura, de que teria ocorrido pelo fato de uma mulher ter sido muito maltrada pelo marido e pelo filho. E que, por consequência, quando no leito da morte, ela os teria amaldiçoado, dizendo-lhe algo como: “Quando morrerem, não serão dignos de a terra os comer e os desfazer”. E aquela determinação os teria ferrado com o destino de estarem permanentemente exibidos e suspensos para a execração pública. 
Destinado a criar ainda mais um ambiente de suspense, um sensor de movimento, quando pisado, aciona as luzes que iluminam aqueles dois corpos pendurados estrategicamente.
A capela é constituída por três naves. Cada uma delas tem a dimensão de 11 metros de largura por 18,70 metros de comprimento. Na realidade, a “Capela dos Ossos” é um monumento de arquitetuera dedicado ao Senhor dos Passos, ou Senhor Jesus da Casa dos Ossos. 
Évora, onde se encontra a capela, é a capital do distrito de Évora, e está situada na região do Alentejo Central. Por sinal, é a única cidade portuguesa que é membro da “Rêde de Cidades Européias mais antigas”
E tem por característica, ainda, ser a séde do quinto município mais extenso de Portugal, contando com um território de extensão que marca 1.307,08 km² de área. Toda esssa dimensão está subdividida em 12 freguesias.
Évora é tão famosa que leva o epíteto de “Cidade-Museu”, pelo fato de ser um centro histórico dos mais ricos em monumentos de Portugal. Évora, inclusive, foi declarada Patrimônio Mundial da UNESCO em 1986.
Há alguns anos, quando estávamos em Lisboa por conta de participar da BTL, fomos convidados pelo querido amigo NUNO LIMA DE CARVALHO a jantar no belíssimo salão “Preto e Prata” do Cassino do Estoril, do qual era o seu Diretor (hoje aposentado). E o convite era extensivo a um outro queridísimo amigo e irmão, dirigente de um órgão de turismo brasileiro, dentre alguns outros partícipes.
Ao nosso lado, encontrava-se, também, um amigo proprietário de um dos mais destacados restaurantes daquela bela cidade. Que nos convidou a lá almoçarmos. Entenda-se que Évora fica a poucas horas de Lisboa. Para lá seguimos no dia seguinte. Por evidente, aproveitamos para revisitar os tantos sítios históricos da cidade. Um deles foi, claro, a “Capela dos Ossos”.
Ao alcançarmos a entrada da capela e “descobrir” a inscrição no limiar da sua entrada, o querido amigo e irmão – que a visitava pela primeira vez - deu um freio e se recusou a entrar, impressionado com o impacto daqueles dizeres. Foi necessário a interferência da sua esposa para que ele se dispusesse a visitar aquele curioso monumento. Até porque os ingressos já haviam sido adquiridos.
Foi um momento, deveras, bastante curioso de como tal atração pode impactar aos que lhe visitam. Aliás, bom esclarecer que “Conta-se o milagre, mas não se conta o santo”.

PARA CRESCER NA PREFERÊNCIA MUNDIAL - MERCADO DA CACHAÇA PROCURA O CAMINHO DA TEQUILA

A Cachaça é hoje a segunda bebida alcoólica mais consumida no mercado interno. Perde apenas para a cerveja, que é fermentada. Reconhecida como tipicamente brasileira, se tornou aposta do setor de destilados. 
A bebida vem vivendo momentos especiais, principalmente nos últimos cinco anos. No cenário interno, a possibilidade dos micro e pequenos produtores de Cachaça poderem optar pelo Simples Nacional, representou um novo “fôlego” para o setor cachaceiro, pois reduzirá a informalidade e alavancará a oferta de empregos formais gerados pelas micro e pequenas empresas. Para o consumidor, poderá levar bares e restaurantes a oferecerem uma maior variedade de Cachaças diferenciadas e legalizadas. 
No âmbito internacional, destaca-se  o reconhecimento pelos Estados Unidos (2013) de que a Cachaça é um produto distinto do Brasil, o reconhecimento também pela Colômbia (2012) e, recentemente, a assinatura pelos governos do Brasil e México do acordo para o reconhecimento mútuo da Cachaça e da Tequila como indicações geográficas e produtos distintivos do Brasil e do México.
“O acordo estabelece que toda bebida vendida no Brasil com o nome de tequila será de fabricação mexicana, assim como toda cachaça vendida no mercado mexicano deverá ter sido fabricada no Brasil”, explica Alexandre Bertin, presidente da Confraria Paulista da Cachaça.
LONGO CAMINHO - Mesmo com tantas conquistas, a cachaça ainda tem um longo caminho a percorrer e grandes desafios para o futuro, como o aumento das exportações, a consolidação do mercado internacional e a luta pelo reconhecimento em outros países como bebida genuína e exclusiva do Brasil. 
Segundo dados do Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC), as exportações da bebida atualmente estão aquém do potencial de mercado e estima-se que menos 1% do volume produzido é exportado. 
Comparando com as exportações da Tequila, enquanto em 2017 o México exportou mais de 200 milhões de litros para mais de 190 países, quase 70% de volume produzido, o Brasil exportou pouco mais de 8 milhões de litros do destilado exclusivamente brasileiro para 60 países com mais de 50 empresas exportadoras, gerando receita de US$ 15,80 milhões (8,74 milhões de litros). Esses números representam um crescimento de 13,43% em valor e 4,32% em volume, em comparação a 2016. No entanto, o potencial ainda tem sido pouco explorado.
FORMA DE ORGANIZAÇÃO - A Tequila traz lições importantes para o setor cachaceiro. Parte do sucesso da projeção da bebida mexicana no mundo deve-se a forma de organização do setor no México. Essa forma de organização tem sido um exemplo perseguido pelos produtores de Cachaça, por meio do IBRAC, que há alguns anos defende junto ao governo brasileiro que a Cachaça tenha o mesmo modelo organizacional existente no México.
As empresas brasileiras têm se esforçado, mas as ações de promoção da Cachaça nos mercados internacionais podem ser consideradas tímidas, se comparadas com as de outras categorias concorrentes. Para se estabelecer um comparativo, enquanto a Tequila é protegida em mais de 46 países, incluindo a União Europeia, a Cachaça está protegida em apenas três países (Estados Unidos, Colômbia e México).
“Para aqueles que querem investir no mercado da Cachaça, o desafio será grande para atender aos nichos de consumo. Na produção é necessário planejamento e um olhar voltado para três pilares: alta qualidade do produto, processo de envelhecimento e embalagens diferenciadas. Sem esquecer que após essa etapa, outra grande barreira é a comercialização do produto, pois os canais de distribuição são restritos. Sem isso, a concorrência no mercado interno ou externo se torna esmagadora”, explica Bertin.  
Com o objetivo de atingir nichos de mercado, muitas empresas, especialmente as artesanais, desenvolvem embalagens diferenciadas, que têm contribuído para melhorar a imagem e expandir o mercado. As novas “roupagens” abandonaram a aparência pitoresca e agora apresentam projetos mais elaborados, em estilos artesanais ou sofisticados. 
O SETOR CACHACEIRO NO BRASI - Segundo dados do Instituto Brasileiro da Cachaça (IBRAC), juntamente com o Prof. Jairo Martins, o Brasil possui mais de 1.500 produtores devidamente registrados, com 4.000 marcas. 
Estima-se que esses produtores possuam uma capacidade instalada de produção de aproximadamente 1,2 bilhão de litros anuais da bebida, porém, anualmente são produzidos menos de 800 milhões de litros.
Atualmente, a Cachaça é um dos quatro destilados mais consumidos mundialmente. No Brasil, é a segunda bebida alcoólica mais consumida e representa 72% do mercado de destilados. Os principais estados produtores (em volume) são: São Paulo, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais e Paraíba.

BH É A CAPITAL DA CACHAÇA - DIVERSAS MARCAS EM EXPOSIÇÃO E VENDA EM DOIS EVENTOS

Desde quinta-feira e até domingo, 10, aconteceu em Belo Horizonte a 28ª Expochaça e a 12a. Brasilbier, no Expominas, em Belo Horizonte, a maior e mais importante e conceituada vitrine mundial da cadeia produtiva e de valor da cachaça, no formato consagrado B2B-FEIRA e B2C-FESTIVAL. O evento nasceu em Minas Gerais em 1998, a 21 anos, e ganhou a liderança no Brasil e visibilidade mundial.
A Feira foi realizada em conjunto com a 12ª Brasilbier unindo as duas cadeias produtivas de bebidas artesanais a cachaça e as cervejas artesanais. A Expocachaça é uma das responsáveis pela visibilidade atingida e pelo status de destilado, dando promoção e divulgação à bebida nos mercados interno e externo.
OBJETIVOS DOS EVENTOS – Foram estes os objetivos:
Aproveitar as oportunidades que o mercado de bebidas brasileiro oferece; Expandir perfis de consumidores; Criar novas ocasiões de consumo e aproximação com as marcas; Consolidar a categoria frente a outras bebidas alcoólicas; Difundir o discurso da cachaça; Apresentar lançamentos e inovações para estimular a experimentação; competir no cenário de outras bebidas alcoólicas pelo bolso do consumidor.  (Jornalista Sérgio Moreira - da Confraria de Jornalistas de Turismo e da Abrajet/MG)

CIDADES GÊMEAS FRONTEIRIÇAS - APROVADA TARIFA DOMÉSTICA PARA VOOS INTERNACIONAIS

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 5070/16, do Senado, que prevê tratamento tarifário igualitário entre voos domésticos e internacionais que tenham como origem ou destino cidades gêmeas fronteiriças — aquelas que ficam uma ao lado da outra, mas em países diferentes, a exemplo de Rivera, no Uruguai, e Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul. A proposta muda a Lei 6.009/73.
O relator da matéria na comissão, deputado Ezequiel Fonseca (PP-MT), considerou positiva a proposta de determinar que, em voos que tenham origem ou destino em cidades contíguas na fronteira – uma delas do lado brasileiro – as tarifas aeroportuárias cobradas dos usuários (passageiros e transportadores) em voos internacionais tenham o mesmo valor das tarifas cobradas em voos nacionais, comumente mais baratas.
Segundo o relator, o projeto impede que o objetivo de “partilhar” um aeroporto de fronteira seja comprometido por se aplicar valores diferentes para tarifas aeroportuárias sobre voos nacionais e internacionais. 
Ezequiel Fonseca lembra que a proposta foi apresentada pela senadora Ana Amélia (PP-RS) porque a empresa aérea uruguaia Pluna interrompeu voos entre Rivera e Porto Alegre (RS) em virtude de o valor da tarifa de embarque internacional onerar a viagem quase tanto quanto o próprio valor então cobrado pela passagem aérea, desestimulando a procura pelo serviço. 
O projeto ainda precisa ser analisado em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).. (Com a Agência Câmara Notícias). 

COM MUITO FORRÓ E ALEGRIA - O “ARRAIÁ” EM CARUARU JÁ COMEÇOU E VAI ATÉ O FINAL DO MÊS

O que começou como uma reunião entre famílias que acendiam fogueiras, preparavam comidas feitas de milho, soltavam fogos de artifício e dançavam ao som dos trios de forró, tornou-se um dos maiores São João do Brasil. Caruaru (PE), distante cerca de 140 km de Recife, é considerada a capital do forró e os turistas não esperam menos da cidade, que leva diversão para quem gosta de pular fogueira e não dispensa um arrasta pé. Junho é um mês de festa. Desde a última sexta-feira (1) a cidade está cheia de atrações típicas e muita música.  
A festança de Caruaru é para ninguém ficar de fora. Estão espalhados pela cidade e na zona rural 22 polos com atrações juninas locais, regionais e nacionais. São esperadas 2,5 milhões pessoas – meio milhão a mais que no ano passado -  para curtir muito forró, estilo musical típico do Nordeste, e apresentações de artistas como Wesley Safadão, Geraldo Azevedo, Maiara e Maraísa, Aviões do Forró, Alceu Valença, Gabriel Diniz, Elba Ramalho, Luan Santana e Alcymar Monteiro.
O São João de Caruaru é um importante evento gerador de fluxo turístico que resulta em emprego e renda para o município e para Pernambuco. Segundo a prefeitura da cidade, a festa deve arrecadar R$ 200 milhões, o que representa um aumento de 25% em relação ao ano passado, quando foram angariados R$ 160 milhões. Além disso, o festejo pode gerar seis mil empregos diretos e indiretos.
Quadrilhas, decoração junina, salão de artesanato e comidas típicas são outros atrativos que farão o arraiá de Caruaru ser ainda melhor. Para o item “comida”, a sugestão é que os forrozeiros de plantão estejam preparados para aproveitar as guloseimas feitas em larga escala e distribuídas gratuitamente. O “arraiá” é famoso por oferecer as “comidas gigantes”, como o Maior Cozido de Milho na Manteiga, que leva 1, 5 mil espigas, ou o Maior Chocolate Quente, produzido com 700 litros de leite e 130 quilos de chocolate em pó.
No São João também há espaço para homenagear importantes personagens da história que representam as vertentes artísticas e culturais do município. São eles: o escritor e compositor Nelson Barbalho, o colunista social Jotta Lagos, o organizador de eventos Zé Lucía do Palhoção, a poetisa e compositora Fátima Marcolino e a boleira Maria do Bolo.

EM SANTIAGO - FEIRA INTERNACIONAL DE TURISMO DE EVENTOS

O secretário nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do Ministério do Turismo, Bob Santos, participou na última  semana do 5º Fórum Político Latino-americano sobre Turismo de Reuniões que aconteceu da segunda-feira-passada até 4ª feira, em Santiago, no Chile. A discussão sobre turismo de eventos foi realizada no âmbito da Feira Internacional do Mercado de Reuniões e Viagens de Incentivo da América Latina (FIEXPO). A delegação do MTur contou ainda com a presença do chefe da Assessoria de Relações Internacionais da Pasta, Rafael Luisi. A presidente da Embratur, Teté Bezerra, também está participando do evento.
Durante os dois dias, os organizadores de eventos internacionais, reunidos no Chile, tiveram encontros com os representantes de associações profissionais que realizam eventos periódicos em todo continente. A FIEXPO, considerada a principal feira de turismo de eventos, é o espaço onde a América Latina mostra a sua capacidade para a realização de eventos internacionais, tanto internos como os capturados em outros continentes.
MANUTENÇÃO DO FLUXO - Aspecto positivo do turismo de eventos é a manutenção do fluxo turístico nos destinos onde a presença de turistas é sazonal. No Brasil, o Ministério do Turismo incentiva a captação e eventos nacionais e internacionais para movimentar a economia do turismo e investe na construção de centros de convenções para ampliar a infraestrutura e a oferta turística. Das 23 obras da Pasta contempladas no Programa Agora, é Avançar, cinco preveem a reforma ou construção de centros de convenções. As cidades de Natal (RN), Balneário Camboriú (SC), Aracajú (SE), Maceió (AL) e Amazonas (AM) receberão investimentos federais da ordem de R$ 181 milhões para melhorarem sua capacidade de receber congressos e eventos. (Com o MTUR)

BRASIL PREMIADO NA CIFTIS, EM PEQUIM

O Pavilhão do Brasil foi eleito o melhor, entre os convidados internacionais, da 5ª edição da China Beijing International Fair for Trade in Services em Pequim. Em nome da delegação brasileira, o secretário Nacional de Estruturação do Turismo, José Antônio Parente, recebeu o prêmio durante cerimônia sexta-feira (01), último dia da feira.  O Brasil foi representado pelos ministérios do Turismo, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e das Relações Exteriores, além da Embratur e Apex-Brasil.
Durante a feira, o Brasil esteve representando em um pavilhão de 370 metros quadrados. De olho no mercado que mais envia turistas por ano para o mundo - 135 milhões - e também os que mais gastaram no último ano US$ 250 bilhões. Por esse motivo foram apresentados, a convidados e potenciais investidores, projetos para melhorar o turismo no Brasil com a construção de portos e marinas, resorts e outros atrativos turísticos que deverão impulsionar a atividade. Os investimentos apresentados são da ordem de US$ 4,5 bilhões para o Brasil.
A FEIRA -  A CIFTIS é organizada conjuntamente pelo Ministério do Comércio (MOFCOM) da China e pelo Governo Popular do Município de Pequim com periodicidade bienal. Trata-se da primeira feira internacional de comércio de serviços, de nível estatal, que abrange todos os 12 setores de serviços definidos pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

TURISMO - ACORDO BRASIL E A MAIOR OPERADORA DA CHINA

Estruturar roteiros customizados para ampliar a presença do turista chinês, maior emissor de viajantes do mundo, no Brasil. Esse é o objetivo de uma parceria inédita firmada na última semana entre o governo brasileiro e a China Travel Service (CTS), maior operadora de turismo do país. Por ano, a empresa é responsável pelo envio de 50 milhões de viajantes para os mais variados destinos. 
Participaram da reunião com o CEO da companhia, Arthur Xue, e com o diretor de negócios, Dun Jidong, o secretário nacional de Estruturação do Turismo do Brasil, José Antônio Parente, o secretário de Turismo de Foz do Iguaçu, Gilmar Piolla, o secretário de Turismo do Ceará, Arialdo de Mello Pinho, e Bob Wei, diretor-geral da Chinarte Cultura Media.
A primeira ação desta parceria está prevista para setembro, durante o Festival da Lua Cheia, em Foz do Iguaçu, segunda maior colônia chinesa do país. O evento realizado pela prefeitura municipal, em parceria com a Embaixada da China no Brasil, deverá ser incluído em definitivo na programação cultural da cidade e promete atrair os viajantes chineses interessados em ecoturismo e turismo de natureza.
Durante o encontro ficou acertado que uma delegação da CTS visitará o Brasil ainda este ano para avaliar a infraestrutura existente como hotelaria e gastronomia, bem como conhecer os destinos que poderão integrar roteiros voltados para o visitante chinês..
Além do turismo de natureza, os representantes da empresa chinesa falaram sobre o interesse crescente do turista chinês por maratonas, o que pode ser outro diferencial para atração de viajantes, uma vez que o Brasil organiza eventos mundialmente conhecidos como a Maratona do Rio de Janeiro.