Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

SISTEMA S

É amplamente sabido que o chamado “Sistema S” é a denominação dada ao “conjunto de organizações das entidades corporativas voltadas para o treinamento profissional, assistência social, consultoria, pesquisa e assistência técnica, que têm seu nome iniciado com a letra S”, como define o Google” em suas informações. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); Serviço Social do Comércio (Sesc); Serviço Social da Indústria (Sesi); e Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac) são as organizações do grupo mais conhecidas, as que aparecem sempre nos noticiosos de jornais e revistas e outras formas de comunicação. Mas há outros órgãos incluídos no sistema, como o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar); Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop); e Serviço Social de Transporte (Sest), menos divulgados mas também com inestimável folha de serviços. O nosso objetivo neste registro é dizer que temos muito respeito por estas entidades, cada qual extrapolando os benefícios da categoria específica para se projetarem como autênticas propulsoras do progresso do País. Estas paraestatais não são propriamente peso para o Governo, uma vez que se sustentam de verba arrecadada nas suas respectivas classes a que pertencem. As verbas anualmente destinadas a cada uma são substanciosas, daí a cobiça constante para que o ente arrecadador, o governo, faça uso do “cacau” para outros fins. A manobra é mais ou menos esta. Certamente, não somos expert no assunto. Contudo, vemos que o interesse seria desviar parte da verba que está bem empregado para outros fins, alguns sabidamente contaminados pela falta de lisura. Como bom exemplo da atuação do Sistema S, citamos o competente trabalho do Senac, Sesc, Senai, Sesi e Sebrae no Ceará. Com seriedade e sempre na tentativa de oferecer serviço de ponta, há dezenas de anos o Estado é altamente beneficiado no seu alto índice de progresso pela atuação destes órgãos na formação e qualificação de milhares de pessoas. Senac e Senai, por exemplo, vêm proporcionado força motora indispensável para que aqui se instalem grandes indústrias e firmas mundiais, contribuindo com uma mão de obra suficientemente qualificada, composta de jovens e adultos que se prepararam nas salas de aula da duas entidades do comércio e da indústria. E o que dizer da objetiva e respeitável atuação do Sebrae na segurança, qualificação profissional e orientação para inserir no mercado pequenos e médios profissionais? Sem dúvida, o Brasil vem mudando para melhor com a atuação do pessoal do S.

AMANHÃ O ENCERRAMENTO - RECORDE DE PARTICIPANTES NO 38º CONGRESSO DE PEDIATRIA

Pediatras de várias partes do Brasil se reunidos em Fortaleza
Mais de seis mil profissionais estão participando do 38º Congresso Brasileiro de Pediatria, certame que está acontecendo no Centro de Eventos do Ceará desde último dia 10.  A nova marca está sendo celebrada pela diretoria da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), organizadora do importante encontro, que será encerrado amanhã, 14. O tema central do evento é “Eu pediatra, cuidando do futuro do Brasil”. Conferencistas de renome nacional e internacional fazem parte da programação que contempla temas do cotidiano, do avanço do conhecimento, das atualizações pertinentes à prática médica e da luta pela valorização do pediatra.
As palestras e outras atividades acontecem numa estrutura de aproximadamente 30 mil m², que oferece inúmeras facilidades para os participantes. Um dos destaques da programação é o Fórum de Defesa Profissional, em que os pediatras têm oportunidade de debater democraticamente a valorização profissional e os rumos da especialidade no Brasil.  .
O evento também abre espaço para discutir as formas de prevenção e combate ao desaparecimento de crianças e de adolescentes no País. Este é mais um desdobramento de parceria estabelecida entre a SBP, organizadora do encontro, e o Conselho Federal de Medicina (CFM), que desde 2011 tem liderado um movimento nacional em favor desta causa.
CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO – Na quarta-feira (11), a partir das 10h, houve a cerimônia de premiação dos três melhores trabalhos na sessão de abertura do 38º CBP. Na oportunidade, o melhor trabalho inscrito de cada Unidade da Federação também recebeu uma menção honrosa. Após o término do Congresso, os trabalhos ficarão disponíveis no site da SBP no item “Anais dos Congressos”.
SIMPÓSIO – Como parte do esforço contínuo de dar visibilidade e estimular à amamentação no Brasil, o 38º Congresso conta ainda com o I Simpósio de Aleitamento Materno. Dois dias estão dedicados à apresentação, análise e debate sobre diversos aspectos relacionados ao tema. 
Durante o Simpósio, também ocorrem discussões de casos e a criação de um espaço no qual os pediatras apresentam suas próprias experiências. Dentre os palestrantes, estão previstos depoimentos e exposição de casos de especialistas de todo o País e também do exterior.
Os participantes do evento podem acompanhar outras atividades que acontecem simultaneamente ao 38º CBP, como o 15º Congresso Brasileiro de Ensino, o 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa, o 3º Congresso Brasileiro de Médicos Residentes, o 10º Congresso Brasileiro de Reumatologia Pediátrica e o 3º Encontro de Ligas de Pediatria

CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TURISMO

A Secretaria Municipal do Turismo de Fortaleza (Setfor), em parceria com o Ministério do Turismo, lançou o curso profissionalizante “Brasil Braços Abertos”. A capacitação em Turismo, totalmente gratuita, oferece módulos voltados para a área de atendimento, comunicação e gestão. Com 80 horas aulas online, o curso é realizado à distância, em ambiente digital, com videoaulas e atividades.
Durante o curso, o estudante pode acompanhar a respectiva pontuação por meio da funcionalidade “Ranking”. Alcançada a pontuação máxima, é só acessar o link http://brasilbracosabertos.turismo.gov.br/certificado e imprimir o certificado de conclusão.
As inscrições devem ser realizadas até o dia 16 de outubro, através do Canal Brasil Braços Abertos.

NOS TEMPOS DA CORRUPÇÃO

É NECESSÁRIO TAMBÉM RECONHECER A “MEA CULPA” - A sociedade brasileira vem sendo, já há alguns anos, violentada com a enxurrada de denúncias, inquéritos, processos, condenações, por conta da apuração de avassaladores casos de corrupção. O país está submerso num turbilhão de personalidades envolvidas, o que violenta a nação, deixando-a na mais intranquila fase da sua vida política.
A reflexão que nos tem ocupado diuturnamente, nestes últimos tempos, nos conduz a introspectar para exame da auto-crítica a que nos deve conduzir permanentemente. Este auto-exame abala-nos ao constatarmos que a corrupção nasce no que se interpreta como sendo as mais insignificantes ações que, nunca raro, passam despercebidas como descuidados malfeitos. No dia-a-dia são demasiados os exemplos do comportamento desviado, que transitam despercebidos na sua essência.
A ÉTICA COMO “NORTE” DA ATIVIDADE - Na realidade, o que vem ocorrendo no dia-a-dia é que muitos não se apercebem de que a ética tem que ser fundamento basilar na conduta humana. Seja nas relações íntimas, interpessoais, seja no exercício profissional, sobretudo nessa condição. A ética é que nos conduz a perseguir a retidão de procedimento, ou, simplesmente, encaminhar-nos pelas trilhas estreitas da conduta ilibada.
Nem sempre nos damos conta de que as mínimas ações estejam prenhes de incorreções de desempenho. Esta inadvertência faz com que nos deixemos perseguir fáceis pela trilha do êrro eventual. Até mesmo na intimidade das famílias ou no fugaz trânsito da coletividade, o não obedecer inocentes regras de conduta, traduz-se, na realidade, nos primórdios da irregularidade de comportamento.
A IMPRENSA DEVE SER PALADINA -  Sou defensor intransigente de que o profissional da comunicação deve ser o exemplo maior da ética e da moral. Como informador e formador de opinião, há que se limitar de modo rigoroso nos limites dessas duas virtudes: a ética e a moral que, aliás, se confundem. Sobretudo porque somos o espelho, o modelo que, no dia-a-dia, se encontra  exposto ao exame, a admiração ou a execração de um púbico de infinitas dimensões. Ainda mais por isto, mas e sobretudo pelo “dever de ofício” – pois que deve ser o apanágio natural do comportamento humano – distanciar-se desses padrões é contribuir para a deformação da sociedade. 
AINDA QUE A REGRA SEJA POSITIVA, HÁ EXCEÇÕES - O que testemunhamos, felizmente, é que a regra geral é extremamente positiva, pois que o Brasil é servido por uma imprensa sadia, pautada pelos mais rigorosos princípios éticos e compromissada apenazmente com a verdade, com a fidelidade dos fatos e da sensatez nas opiniões que emanam do seu exercício.
Nos dias que correm, por sinal, uma particularidade do exercício da comunicação tem sido afirmada cada momento com maior ênfase. É a imprensa investigativa que, por sinal, está a cada passo mais aprimorada, conduzindo a nação brasileira a conviver com uma realidade absolutamente convulsiva.
MAUS EXEMPLOS QUE IRRITAM - O que causa espécie, porém, são pontuais situações que, mesmo rarefeitas na sua exposição, incomodam e responsabilizam. Seguindo o adágio de que “cada cabeça é um mundo”, procuramos entender as exceções. Mas não nos podemos distanciar da repulsa, nem minimizar a responsabilidade, tão desastrosa e comprometedora é a sua exposição.
Como o exemplo de veículo alternativo que insere em suas edições mensagens publicitárias, a revelia do titular do potencial anunciante. A ausência de autorização, por certo, já constitui uma agressão a espontaneidade da iniciativa. Muito pior é a desastrosa investida na pretensão de acolher o ressarcimento pecuniário de tão exacerbada violência. Tanto quanto valer-se da condição profissional para induzir a concessão de vantagens indevidas.
Desgraçadamente, damo-nos de frente, por vezes, com essa situação, o que nos incomoda e molesta, principalmente pelo fato de, nunca raro, identificarmos os agentes ativo e passivo de tamanha agressão. É uma verdade da qual, lamentável, não podemos desconhecer. Muito ao invés, é-nos imperativa a repulsa explícita para que não permitamos que a exceção possa macular a regra. Identificar, então, a excrescência é a ferramenta de mais-valia contra prática tão mesquinha.

TURISMO DESENVOLVE-SE MELHOR COM PARCERIAS

Antonio Jose de Oliveira
Presidente da Abrajet CE
Como alguns (não estamos generalizando) gestores públicos e da iniciativa privada, ligados, direta e indiretamente, ao segmento turismo, continuam desconhecendo que o Turismo é uma atividade plural, voltamos a escrever sobre o assunto em pauta.
No turismo dos nossos dias, apenas a parceria é capaz de incrementar as atividades desse importante, porém ainda incompreendido segmento econômico. Sozinho, minha gente, ninguém faz nada e não vai a lugar algum. E tem mais: tudo precisa ser realizado com muita humildade, competência e sem estrelismo. Que os vaidosos prestem atenção: no turismo, devem aparecer somente estrelas, nas noites, para encantar a população e os turistas.
Tolos são aqueles que julgam ser o turismo uma atividade singular e individualizada. Ao contrário, Turismo é trabalho de muitos e sem paralelismo de ações. Singular mesmo somente o fenômeno turismo, quando explorado em parceria e com profissionalismo. No turismo, calha bem o famoso adágio: “Andorinha, sozinha, não faz verão”. O correto é : todos, irmanados, por uma pessoa: o turista. Tudo deve girar em torno dele. Ele é o Rei.
É costume algumas pessoas do “trade” esquecerem-se de que o visitante é quem determina o que deve ser feito, para aumentar o seu grau de satisfação, relacionado à população e ao destino visitado. Tão simples, não é mesmo? Mas, como é difícil de ser posto em prática! É incrível mesmo. Para destacar o nosso ponto de vista, sempre dizíamos e escrevíamos que o exemplo maior, no setor público do turismo nordestino, era dado pelo Estado da Bahia, precisamente pela Bahiatursa. 
Na verdade, a Bahia, quando era presidente, por três vezes, da Bahiatursa e, depois, secretário estadual da Cultura e Turismo, o competente e carismático Paulo Gaudenzi, sabia vender bem o produto turístico, existindo maior integração da comunidade turística do que nos dias atuais. Lá, respirava-se turismo o dia inteiro. 
No Estado Ceará, é importante registrar muito vem sendo feito pelo Governo do Estado e pela prefeitura de Fortaleza, por intermédio das secretarias estadual e municipal do turismo, com a divulgação dos atrativos, nas mídias e nos eventos nacionais e internacionais, nos principais centros emissores de turistas do Centro-Sul e Sul do Brasil e alguns Estados do Nordeste. 
Bem! Sem a pretensão de sermos o “dono-da-verdade”, afirmamos que atividade plural significa buscar parcerias. Ser parceiro é falar no plural “Nós” e não “Eu”. É ter coragem e ser ético e transparente, ao dizer: nós realizamos isso e aquilo. Nós estamos contribuindo para o desenvolvimento sustentável do setor. Nós queremos o melhor para o turismo cearense. Nada, pois, do “EUQUIPE”.
É importante reconhecer, também, os esforços, os empenhos e as ações das iniciativas pública e privada, as quais ajudam a acelerar o processo de desenvolvimento turístico, na “Terra de Iracema”, e na “Loira desposada do Sol”. Assim, minha gente, é que se deve falar e trabalhar. Afinal, turismo – reforçamos - jamais deixará de ser uma atividade plural. No turismo, vale aplicar o lema do cooperativismo: UM POR TODOS E TODOS POR UM. 
Ah! Por último, uma advertência: pessoas vaidosas, com o “rei na barriga” e inescrupulosas não servem para participar da comunidade turística. Turismo – minha gente -  vai um pouco além: passa por humildade, competência, ética, profissionalismo, diálogo, dedicação, companheirismo e zelo pelas coisas públicas e privadas.

PORTO VELHO - A IMPORTÂNCIA DA ESTRADA DE FERRO MADEIRA-MAMORÉ

Estação da Estrada de Ferro
A história de Porto Velho, que comemorou 103 anos na última segunda-feira (02/10), está diretamente ligada à construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, iniciada em 1907 para o transporte da borracha extraída da floresta e responsável pela ligação do município à Guajará-Mirim, na fronteira com a Bolívia. Hoje, a ferrovia é um importante atrativo turístico na capital, sendo que 7 dos 366 km da estrutura original foram restaurados para fins turísticos.
Entre os atrativos centenários, a Vila Candelária, e o complexo cultural de galpões, estação, museu ferroviário, vagões e locomotivas remontam às origens da cidade, banhada pelo rio Madeira, fundada 7 anos depois, em 2 de outubro de 1914. As Três Marias, caixas d`água construídas em módulos metálicos trazidos dos Estados Unidos, também são símbolos históricos de Porto Velho e destacam-se na paisagem urbana.
As praias dos Periquitos e da Areia Branca, os passeios de barco pelo rio Madeira e a badalada Calçada da Fama são atrativos turísticos que mostram a intimidade da cidade com o “braço direito” do rio Amazonas e uma das principais ligações de Porto Velho com outras cidades da região. A viagem mais longa, até Manaus, dura 3 dias de navegação. São 1.450 km de extensão desde a Cordilheira dos Andes. A cachoeira de Santo Antônio, a força das corredeiras e a reserva extrativista do Lago Cuniã, entre o Alto e o Baixo Madeira, demonstram a diversidade de atrativos naturais, de ecoturismo e aventura de Porto Velho. Já na margem do rio Guaporé, outro patrimônio natural do município, fica o Real Forte Príncipe da Beira, próximo da fronteira com a Bolívia. É o principal monumento do patrimônio histórico de Rondônia.
O Palácio Getúlio Vargas, antiga sede do governo, hoje Museu Palácio da Memória Rondoniense; a Catedral Sagrado Coração de Jesus e a igreja de Santo Antônio do Rio Madeira estão entre as referências arquitetônicas e religiosas de Porto Velho. Outro marco da cidade é o Mercado Central onde, além da diversidade do artesanato amazônico, o turista encontra pratos típicos da região. A variedade de peixes de água doce - dourado, surubim, tambaqui e tucunaré - exerce forte influência na culinária local. Aos sabores e temperos herdados dos povos da floresta, une-se também a gastronomia dos colonos nordestinos - que trabalharam como soldados da borracha e, depois, garimpeiros - e também dos gaúchos que mais tarde ocuparam a região com o agronegócio.
A histórica Vila de Santo Antônio de onde, inicialmente, partiria a estrada de ferro abriga a antiga Capela de Santo Antônio de Pádua (1914), a Cachoeira de Santo Antônio e a hidrelétrica de mesmo nome, cuja obra, assim como a estrada de ferro, atraiu milhares de pessoas para o estado. Já o Centro Cultural Indígena, além de ser uma referência sobre os nativos da região, conta a história do Marechal Cândido Rondon.
Aliás, o nome do estado é uma homenagem ao sertanista, responsável pela ligação, por telégrafo, entre o litoral e o interior do Brasil. No final do século XIX o país já se comunicava com a Europa, mas ainda não fazia ligações internas. Rondou percorreu 77 mil quilômetros desbravando os sertões, inclusive territórios indígenas. Ele foi um dos idealizadores da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.(Com o MTUR).

EM BELO HORIZONTE - 1ª FEIRA E CONGRESSO DE CONFEITARIA DE MINAS GERAIS

Danielle Neves, conhecida como Dani Formigueiro
Para o público do setor de confeitaria,  será realizado em Belo Horizonte a 1ª Feira e Congresso de Confeitaria de Minas Gerais, Confeitar Minas 2017, nos dias 21 e 22 de outubro, no Ouro Minas Palace Hotel (Av. Cristiano Machado, 4001). 
Com o tema Faça e Venda para o Natal, serão dois dias com feira, palestras, workshops e cursos. Chefs confeiteiros e palestrantes renomados (veja programação no final do texto) vão compartilhar seus conhecimentos com centenas de pessoas que já empreendem ou sonham em ter seu próprio negócio na área da confeitaria. O objetivo do evento é apresentar novidades e tendências do mercado para que os participantes possam se destacar da concorrência, alavancar as vendas, aperfeiçoar ou iniciar um negócio. 
O custo para participar do evento é R$ 10,00, por dia, por pessoa, com direito a visitar a feira e os estandes, assistir às aulas e demonstrações nos próprios estandes, além de ter acesso a palestras, aulas e workshops nas salas do hotel. A programação também inclui aulas e workshops avançados, cujo pagamento é à parte.
A expectativa da organização do evento é de receber 1.000 pessoas por dia, de todas as regiões de Minas Gerais e de outros estados. A Confeitar Minas 2017 promoverá capacitação qualificada, contato com grandes nomes do cenário gastronômico nacional, troca de experiências e relacionamento com as principais indústrias do ramo confeiteiro. 
A organização da Feira é da confeiteira mineira Danielle Neves, conhecida como Dani Formigueiro, com empresa homônima que produz pão-de-mel, trufas, bombons, tortas e sobremesas. 

CAMPANHA: "MÉXICO, UM MUNDO EM SI MESMO"

Pirâmide de Chicken Itza - México
Na cidade de Nova Iorque Conselho de Promoção do Turismo do México (CPTM) lançou sua nova campanha global "México, Um Mundo Em Si Mesmo". A campanha representa um novo capítulo no posicionamento e promoção global da marca turística México e concentra-se nas experiências vividas e multifacetadas que fazem seus visitantes voltarem a visitar repetidas vezes. "México, Um Mundo Em Si Mesmo", destaca a imensidão e a diversidade da oferta turística do México e vem em um momento em que o país é classificado como o 8º país mais visitado do mundo (ranking 2017), depois de ter se classificado em 15º na lista em 2012 (fonte: OMT), superando significativamente o crescimento médio da indústria do turismo em todo o mundo.
Ao contar histórias sobre as diversas experiências que o México oferece através de seus destinos para uma grande variedade de viajantes, a campanha se concentra no renomado posicionamento do México como um mega destino. "Um Mundo em si Mesmo" também destaca o aspecto colorido, mágico e, até mesmo, surrealista do México, que tem inspirado exploradores, artistas e filósofos por milhares de anos. Salvador Dalí, o aclamado e excêntrico artista espanhol, afirmou sarcasticamente: Não há como voltar para o México. Não posso ficar em um país que é mais surrealista do que as minhas pinturas". 
Nada capta melhor esse surrealismo do que a celebração do Dia dos Mortos. Uma data em que os turistas podem ficar imersos nesta tradição que evoluiu ao longo de milhares de anos, onde famílias e amigos mexicanos honram e lembram seus entes queridos com altares, comida, flores, decorações coloridas e festas que simbolizam como os mortos ainda dançam e comemoram com os vivos. 
O diretor de marketing da CPTM, Emmanuel Rey, afirmou: "Agora mais do que nunca, é hora do México se conectar com os turistas em um nível mais pessoal. Um Mundo em si Mesmo conquistará os consumidores ao compartilhar a diversidade de experiências que o México tem para oferecer e, principalmente, desafiará os turistas a viverem suas experiências ao máximo, despertando a imaginação e garantindo que viajar é descobrir um mundo em si mesmo". 

MAPA ETNO-HISTÓRICO REÚNE LÍNGUAS INDÍGENAS DO BRASIL

Uma das mais célebres obras cartográficas produzidas no Brasil, em 1943, considerada um marco dos estudos sobre as línguas e culturas indígenas, está disponível na internet no portal do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). São mais de 900 referências sobre etnias e línguas indígenas coletadas entre os séculos XVI e XX catalogadas no Mapa Etno-Histórico do Brasil e Regiões Adjacentes, de Curt Nimuendajú.
 Utilizando a técnica de restauração digital, a versão original do mapa, que mede quatro metros quadrados, foi fotografada quadrante por quadrante, em alta resolução. Com isso, será possível, na versão digital, visualizar as informações em tamanho ainda maior que em sua versão física. Além da versão digital do mapa, na mesma data será lançada uma edição revisada e ampliada da obra – um mapa e um livro (impresso e digital).
A digitalização do mapa é parte do projeto Plataforma Interativa de Dados Geo-Históricos, Bibliográficos e Linguístico-Culturais da Diversidade Linguística no Brasil, realizado pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e pelo Iphan, por meio da equipe técnica do Inventário Nacional da Diversidade Linguística do Departamento do Patrimônio Imaterial (INDL/DPI/Iphan).  
Os coordenadores editoriais, Marcus Vinicius Carvalho Garcia (Iphan) e Jorge Domingues Lopes (UFPA), contam que lançar a publicação de uma nova edição do Mapa Etno-Histórico do Brasil e Regiões Adjacentes e disponibilizar a versão digitalizada do original na internet é tornar acessível à sociedade um dos mais importantes documentos etnográficos produzidos no Brasil. A reedição apresenta uma revisão completa do documento, contendo, inclusive, pequenos ajustes que foram identificados no processo de pesquisa. A publicação, de 120 páginas, está organizado em forma de coletânea, com textos que servem como guias para a leitura do mapa.
O projeto conta com o apoio técnico e institucional do Museu Paraense Emílio Goeldi, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

A OKTOBERFEST CONTINUA MOVIMENTANDO BLUMENAU

Rainha, Bruna Ponchielli (centro); a primeira princesa,
Vanessa Salvador (dir); e a segunda princesa, Bianca Tribess(esq)
Começou anteontem, em Blumenau, a 34ª edição da Oktoberfest. O tradicional evento constitui-se a maior festa alemã no Brasil e segunda mais importante do mundo, com a cerveja sendo a grande vedete da festa.
Como nos anos anteriores, a cidade catarinense está recebendo milhares de turistas, que se juntaram à população local em momentos alegres e descontraído, todos inspirados na secular Oktoberfest de Munique
Encenações  folclóricas, memória e tradições alemãs são a grande motivação. A miscigenação saudável é o que se constata durante os dias do evento, repleto de desfiles e outras manifestações saudáveis, 
Uma das grandes atrações, o  Concurso Nacional de Tomadores de Chope em Metro, no Parque Vila Germânica,  acontece todas as noites, entre homens e mulheres, maiores de 18 anos. O consumo de cerveja, como vem ocorrendo, deverá chegar a 7 milhões de litros no final. Não ficam atrás as danças folclóricas alemãs, que encantam os visitantes que comnparecem à cidade catarinense.
Esta 34º  Oktoberfest de Blumenau irá até o dia 22, quando será conhecido o tomador de chope que fez o menor tempo em todos os dias de competição, nos naipes masculino e feminino.