img { max-width: 100%; height: auto; width: auto\9; /* ie8 */ }

Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de junho de 2017

CULTURA E TRADIÇÃO EM BARBALHA - MULTIDÃO ESTÁ NAS FESTAS EM LOUVOR A SANTO ANTÔNIO

A cultura e a tradição se aliam à receptividade do seu povo para os festejos do Padroeiro de Barbalha, Santo Antônio. A programação, oficialmente, começou no domingo passado, 28, às 9 horas, com celebração da Santa Missa, na Matriz. Em seguida, houve apresentações dos movimentos culturais, enquanto, às 11 horas, com uma multidão acompanhando, saiu do Sítio Flores o Cortejo do Pau da Bandeira. A partir das 16 horas, em três palcos montados no Marco Zero, Largo do Rosário e Praça da Estação, houve shows gratuitos para o público que aguardava a chegada do Pau da Bandeira, à Matriz.
 A Festa de Santo Antônio ficará encerrada no dia 13 de junho e, até lá, barbalhenses e os milhares de visitantes participam de vasta programação, que inclui desde as tradicionais quermesses e leilões a shows de bandas e cantores de renome nacional. Até lá, será desenvolvida atraente programação.
NOITE DAS SOLTEIRONAS – No sábado que antecedeu à abertura da Festa de Santo Antônio,  na Praça da Estação, a partir das 21 horas,  como é da tradição,  foi realizada a Noite da Solteirona.  Barracas, música, apresentações culturais e a grande atração da noite: a solteirona mais conhecida do Brasil, Socorro Luna, com suas simpatias para quem quer um casamento com a intercessão de Santo Antônio, conhecido como o “Santo Casamenteiro”. O destaque foi também o show com Ítalo e Reno, Waldonys e Elite Forrozeira,  
HOMENAGEADOS – Merecidas homenagens foram prestadas a três personalidades que sempre fizeram parte das festas de Santo Antônio, em Barbalha. 
José da Costa Veloso, o Capitão Zé Veloso, também conhecido como Pavão, começou a participar do carregamento do Pau da Bandeira aos 10 anos e tornou-se o “animador do Pau” com suas músicas e tiradas surpreendentes. Este ano, ele foi homenageado durante o cortejo do Pau da Bandeira Mirim, animado por um bisneto dele, acompanhado por familiares.
Cícero Ricart, o Careca, teve sua vida ceifada em 2015, aos 39 anos, fazendo o que mais gostava: carregando do Pau da Bandeira, o que ocorria há cerca de 15 anos, com dedicação e alegria. Naquele ano, com o cortejo já próximo à Matriz, sofreu um acidente e o clima festivo deu lugar à tristeza com o anúncio de sua morte.
Francisco Belizário dos Santos, o Mestre Tico Neves, era um líder e brincante do Reisado do Sítio Lagoa, com atuação de mais de quatro décadas. Com sua morte, em 2011, o grupo passou a se chamar Reisado de Congo Mestre Tico Neves. Tem apresentações não só em Barbalha mas em diversas cidades da Região do Cariri.

Nenhum comentário:

Postar um comentário