img { max-width: 100%; height: auto; width: auto\9; /* ie8 */ }

Pesquisar este blog

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

ELEITOS PARA O SENADO FEDERAL CANDIDATOS DE 21 PARTIDOS

Irajá Abreu (PSD) um dos senadores mais jovens eleitos
As últimas eleições mudam a correlação de forças no Senado, composto por 81 parlamentares. O MDB continua com a maior bancada da Casa. Mas o partido que iniciou a sessão legislativa em fevereiro de 2015 com 19 representantes (23,45% do total) deve começar 2019 com apenas 12 senadores (14,81%). Em seguida, aparecem PSDB, com 8 senadores (9,87%); PSD, com 7 senadores (8,64%); DEM, com 6 senadores (7,40%); e PT, com 6 parlamentares (7,40%).
Das cinco maiores bancadas que devem começar a sessão legislativa de 2019, três perderam parlamentares em relação a 2015. O PT sofreu o maior revés: uma queda de 13 para 6 senadores (-53,84%), seguido do MDB (-36,84%) e do PSDB, que passou de 11 para 8 representantes. O DEM cresceu de 5 para 6 senadores (um aumento de 20%), enquanto a representação do PSD saltou de 4 para 7 (+75%).
O resultado das urnas aponta para uma pulverização de partidos. A Casa começa a próxima sessão legislativa com 21 legendas. Em 2015, eram 15. A novidade fica por conta de Podemos, Rede, PSL, PHS, Pros, PRP, PTC e Solidariedade, que não tinham parlamentares no início de 2015. Atualmente a Rede já contava com um senador, Randolfe Rodrigues (AP), que havia ingressado no partido, foi reeleito e agora será acompanhado por mais quatro correligionários. PCdoB e o Psol ficam sem representantes.
Os brasileiros elegeram 54 senadores no domingo passado, dois terços da Casa. Mas outro fator contribuiu para a mudança na composição do Senado: as eleições estaduais. O senador Ronaldo Caiado (DEM) foi eleito governador de Goiás em primeiro turno e deixa como suplente o empresário Luiz Carlos do Carmo (MDB). O senador Gladson Cameli (PP), eleito governador do Acre, tem como suplente a dona de casa Mailza Gomes (PSDB).
Dos senadores com mandato até 2023, dois disputam o segundo turno para governos estaduais no dia 28 de outubro. Antonio Anastasia (PSDB), de Minas Gerais, tem como suplente o ex-deputado federal Alexandre Silveira (PSD), o que pode provocar mais uma baixa na bancada do PSDB e nova mudança na composição do Senado. Fátima Bezerra (PT), do Rio Grande do Norte, tem como suplente o advogado Jean-Paul Prates (PT).
Outros dois senadores que estavam em campanha nacional retornam à Casa para mais quatro anos de mandato. O senador Alvaro Dias (Pode-PR) obteve 0,80% dos votos para a Presidência da República, enquanto a chapa da senadora Kátia Abreu (PDT-TO), vice do candidato Ciro Gomes (PDT), ficou com 12,47% dos votos. A senadora Ana Amélia (PP-RS), que ocupava a vaga de vice na chapa de Geraldo Alckmin (4,76% dos votos), está no último ano de mandato na Casa.(Com a Agência Senado).

Nenhum comentário:

Postar um comentário